9 de julho de 2018

Resenha: Persépolis, por Marjane Satrapi





Recentemente, eu fui apresentada a uma realidade, que por décadas julguei erroneamente ser muito distante: a realidade cultural do Oriente Médio, e eu pude ver que, quanto mais penso que sei, mais tenho a certeza de que não sei de nada.

Persépolis conta a autobiografia de Marjane Satrapi, uma iraniana que cresce em meio as mudanças drásticas no Irã e suas percepções sobre a vida, o Ocidente, o Oriente, e sobre si mesma. Com apenas 10 anos de idade, a garota se vê obrigada a usar um véu na escola, é separada dos amigos meninos, deixa de aprender francês e não entende o porquê de tantas mudanças bruscas. Marjane narra os principais acontecimentos de sua vida e de seu país ao mesmo tempo: desde suas primeiras manifestações contra o uso do véu acompanhada de seus pais, as compras de fitas K7 de música Ocidental, o primeiro poster de banda contrabandeado da Turquia, o primeiro namorado, a primeira viagem e por aí vai.

Publicado pela Companhia das Letras em 2007, o livro possui 4 volumes, mas essa versão que eu li é de volume único, ou seja, tem todo o conteúdo publicado anteriormente.




A história de Marjane se torna uma leitura fácil por ser feita toda em forma de quadrinhos, como você pode ver através das fotos, mas não se engane: se prepare para chorar, repensar em toda sua vida e olhar o Oriente com olhos completamente novos.





O modo com que a autora relata sua autobiografia de maneira emotiva e engraçada ao mesmo tempo, cheia de detalhes, personagens marcantes, e fatos históricos (que talvez você nem faça ideia de que tenham acontecido), te faz amar cada quadrinho ilustrado imediatamente, e se apegar em cada erro e acerto na vida de Marjane.

Para quem já foi viajante/imigrante em outra cultura, se prepare porque o "bad mood" vai bater no seu coração de forma mais pesada. Você se vê na pele da personagem/autora por diversas vezes, e entende que, independentemente de suas origens, as situações tristes são as mesmas. São dores com raízes diferentes, mas ainda sim, dores sentidas diretamente na pele. Cada página te faz pensar no seu crescimento pessoal e emocional de forma única, e reforça o ideal de não julgar o desconhecido.




Em 2007, foi lançado o longa-metragem de animação francesa "Persépolis", dirigido pela própria autora, em parceria com Vincent Parounnaud. O sucesso do filme foi tão grande, que o Governo da França escolheu o filme para representar o país no Oscar, na categoria de Melhor Filme Estrangeiro. Vencedor de diversos prêmios, o longa tem 95 minutos e possui o mesmo traço de ilustração dos quadrinhos.

O livro pode ser encontrado na Amazon por R$32,10 ou também nas melhores livrarias do país. Você pode comprá-lo clicando diretamente na capa abaixo:


Encontrei também o filme disponível no YouTube, e para você terminar de se apaixonar pela história, resolvi colocá-lo para finalizar o post. Espero que gostem! E se você já leu, comente aqui suas opiniões! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimos posts: